quinta-feira, 28 de abril de 2011

Preço justo é realmente necessário nesse momento?

Em um fórum de animes que frequento, um amigo enviou um link para a seguinte campanha: Preço Justo Já!

Antes que falem algo sobre "não quer apoiar, não jogue areia", quero que leiam com atenção tudo o que vou dizer abaixo, a redução dos impostos é necessária, mas tivermos essa redução nesse momento muitas coisas mais importantes que necessitamos teremos mais dificuldades para lutar mais adiante.


Primeiro ponto, saúde, educação, emprego, vias de rodagens, etc... de qualidade são muito mais importantes que a redução de impostos, principalmente os de importação. Por que não lutamos por isso nesse momento ao invés de lutar pela redução de impostos? Brigar pela redução na carga tributaria agora é dar uma desculpa para, com uma redução ridícula na carga tributária, eles justificarem a baixa qualidade nas escolas, nos hospitais, etc........ em todos os serviços que o governo deveria fornecer e hoje temos que brigar com o governo para conseguir esses direitos. (mesmo que não convença a todos, convencendo a classe mais baixa gera votos para eles). Se reduzirmos o imposto de importação na situação de agora, vai ter colápso na economia brasileira no geral. Não dá para competir com mercados produtores como "China", vendendo aqui no Brasil, todos vamos comprar tudo importado e nada será produzido aqui, causando um retardo tecnológico e muito desemprego. Além de que os melhores trabalhadores brasileiros vão buscar melhores oportunidades fora do Brasil.

Em segundo lugar, você compara produtos eletrônicos em países que até a alimentação é extremamente cara. São países com políticas diferentes, você pode falar que lá o PS é 1/3 do preço de aqui, mas um prato de arroz com feijão é 3x o preço do prato do arroz com feijão aqui. Comparar economias é mais complicado que simplesmente buscar um nicho de produtos e dizer que lá é melhor. Faz uma média dos acréscimos e decréscimos de preço no brasil em relação ao exterior, sempre comparado com o salário mínimo. Essa seria uma das mais básicas análises. Apesar que o salário mínimo não é um paràmetro muito coerente, mas nas formas mais simples de análise nao pode ser desconsiderado. Nesses países o público alvo dos produtos que você está comparando é completamente diferente. Aqui no Brasil podemos comer, se quisermos, frutas todos os dias e em todas as refeições, por mais pobre que seja a pessoa, e lá no Japão? E lá no EUA?

Terceiro lugar, está comparando o lugar em que a tecnologia é desenvolvida e produzida com o Brasil, eu concordo que as taxas de impostos no Brasil são elevadas, mas não tanto quanto ele quer fazer parecer no vídeo e no site da campanha. Na Espanha é fabricado o PS3 (apesar de ainda ter que pagar os direitos autorais da tecnologia para a Sony do Japão), e lá, sabe quanto custa um PS3? Pois veja você mesmo na FNAC da Espanha, que se você comparar com que é dito na campanha, no Brasil custa 1999,00 né? Na FNAC do Brasil, custa 1499 o PS3 Slim 120GB, se compararmos com os 329,95 € da FNAC da Espanha não está tão longe assim quanto ele disse né? Considere ainda que o Euro custa R$ 2,33 segundo Valor Online, se convertermos em reais do Brasil, temos R$ 771,46, a diferença é grande ainda, mas não tanto quanto ele quer fazer parecer. E o PS3 não é fabricado no Brasil, tem fábrica da Sony no Brasil mas não é fabricado no Brasil. Não gera empregos no Brasil, como gera na Espanha. O Brasil é muito maior que a Espanha, e tem acordo com diversos países na América Latina para que não sejam cobrados impostos de importação, então por que não fabricam PS3 no Brasil? Simplesmente por que a Sony não vê o Brasil como um mercado de valor para o video-game deles. No Brasil temos muito mais vendas de Wii que dos outros consoles, a diferença do preço do Wii, que é o mais vendido no Brasil com o Wii na Espanha, é de 200 reais. Isso mesmo, você encontra Wii com Wii Sports aqui por 700 reais nas americanas, lá na Espanha, na FNAC, por 500 reais. Estou falando sério, um amigo meu veio da Espanha (ele mora lá na verdade) e eu pedi para ele ver quanto custa um Wii na Espanha, para caso compensasse me trouxesse, eu não comprei lá porque 200 reais no preço não compensa não ter 1 ano de garantia que eu teria se tivesse comprado aqui, além do padrão de tomadas ser diferente. E não sei se o Wii é fabricado no Brasil, mas na Espanha sei que é, sei que tem fábrica da Nintendo na Espanha que fabrica Wii. 

Terceiro ponto, vou citar como exemplo o carro, sobre carro mesmo eu andei pesquisando faz algum tempo, pois recentemente comprei uma imitação de carro (um uno mille), um GOL fabricado no Brasil 0km custa cerca de 30k, o mesmo GOL, fabricado no Brasil, custa no México, 20k. Isso, segundo o governo tem as seguintes justificativas: 1. Incentivar as empresas da América latina a investirem no mercado brasileiro, 2. Permitir que nas metrópoles a economia e construção de estradas acompanhem a população de automóvel. Esse segundo ponto retrata que além de arrecadar dinheiro para as vias públicas (hã, por algum acaso as vias públicas são redimensionadas hoje de acordo com o volume de carros nas ruas? esse não é um motivo mais importante para brigar que reduzir os impostos sobre compra de carro? Sem vias públicas não ficaríamos sem poder usar os carros que compramos?), também retrata que enquanto não temos vias públicas suficiente, utilizemos mais transporte público (outro "hã?", por acaso o transporte público, que é mais barato para o governo redimensionar que redimensionar todas as estradas, está em condições de ser usado como principal meio de transporte como em Madrid por exemplo? Claro, Madrid é uma realidade completamente diferente, a cidade é bem menor, mas o metrô lá é de se dar inveja em qualquer metro do Brasil. Mas como eu disse, não podemos simplesmente comparar num ponto específico, cidade menor, mais fácil de controlar, cidade completamente projetada, como Brasília, etc...) Andei olhando o histórico (isso acontece até hoje), muitas cidades aumentam os impostos para a compra e licenciamento de veículo, além da compra de combustível, com a justificativa de que não "tem condições" de ampliar as vias. E logo em seguida nas cidades ao redor, que não tem esse problema, porque a população começa a comprar e emplacar carros nas cidades próximas para fugir desses impostos. E logo em seguida, nas cidades ao redor de todo esse "centro" que já aumentou os impostos. Nessa bola de neve, o preço do veículo cresce onde não deveria e dá chance ao governo de "roubar", pois essas cidades pequenas não tem justificativa em ter o imposto tão alto, além de que a população das cidades grandes vão comprar carros nelas e isso aumenta o volume de automóveis nas cidades grandes de forma desproporcional. Pense um pouco, como eu disse, os políticos lá são um espelho da população do brasil. 

Quarto ponto, ele cita o Blu Ray como exemplo, que é feito em Manaus, mas a propriedade intelectual desse Blu Ray é feita em Manaus? Eu concordo que os filmes brasileiros são uma m*rda no geral, os de fora são muito melhores, mas se temos que pagar os direitos sobre o filme para uma empresa fora do Brasil, isso torna mais caro, você pegou o exemplo de onde é pior aplicado de trazer a produção externa para o Brasil, porque o que custa efetivamente em um vídeo, uma revista, um software, etc... é a propriedade intelectual. Gravar no disco, embalar, rotular, e no máximo, traduzir e dublar, é um custo quase nulo comparado ao custo da obra em si. E em Manaus, é somente gravar no disco, embalar, rotular,e no máximo traduzir e dublar. Mas se você pegar uma empresa de eletrônicos, como a FoxConn, que precisará de muita mão de obra no Brasil, muita matéria prima do Brasil, e pouca coisa será importada (inclusive, se a empresa for boa mesmo, determinados projetos serão remodelados para serem construídos com o máximo de matéria prima brasileira, o que devemos esperar da maior empresa eletrônica do mundo). Há indícios, como eu disse, de que o iPad vá cair o preço de 2000 reais, para menos de 1300 quando a FoxConn começar a produzí-lo no Brasil, a partir de junho. 

Quinto ponto, ele cita que temos muitos impostos, aí está um erro que muita gente não conhece, é que temos uma economia complexa, e para isso precisamos realmente de muitos impostos, o problema não é a quantidade de impostos, mas como e quanto são aplicados. EUA e Japão, possuem economias muito mais complexas que o Brasil, e em contrapartida, possuem muito mais impostos que o Brasil. Mas repito aqui a mesma ideia, vamos viver a nossa realidade. A realidade do Brasil. 

Sexto ponto, temos impostos em tudo quanto é coisa, o sistema de cobrança de impostos do Brasil é o melhor do mundo, mas ainda assim, quantas pessoas não sonegam impostos? A maioria das pessoas não lutam por seus direitos porque sabem que se o governo buscar o que eles estão fazendo de errado eles vão perder muito. Então, antes de conseguirmos mover muita gente, te proponho o seguinte:

Vamos organizar "eventos" para que nós mesmos, e as outras pessoas aprendam mais sobre os próprios direitos, para que com isso incentivemos todos a brigar primeiro pelo que já é nosso direito por lei e não temos, como saúde e educação de qualidade. Com educação de qualidade, teremos um mercado interno muito mais produtivo e poderíamos justificar com isso que não precisamos mais de uma porcentagem tão grande dos rendimentos (que já estariam bem maiores que hoje) da produção brasileira para a administração política do Brasil, com  saúde de qualidade teremos funcionários mais produtivos, que também aumentaria a produção brasileira. Com (seguindo os exemplos que citei) melhores vias de rodagem, teremos entregas mais rápidas, poderemos chegar mais próximos do sistema "just time" em todo o Brasil e assim reduzir custos, aumentando a produção.

Em contrapartida, teremos também que estaremos incentivando os brasileiros a estudarem, a aproveitarem melhor a escola, e a lutarem pelos objetivos em comum conosco.

Depois disso, de ter os direitos que já são nossos por lei, mas que efetivamente não os temos, seria a melhor hora para brigar por mais direitos. Mas não é simplesmente "buscar assinaturas" que vai resolver algo, temos que enviar propostas com ideias consolidadas aos governos municipal, estadual e federal.
 
Estou me mudando de São Paulo Capital para Timbó/SC, e quando acertar lá minha situação financeira, gostaria de começar a reunir e organizar a população para que todos compartilhemos conhecimentos sobre nossos direitos. Terei que estudar muito, mas assim podemos mudar essa realidade no Brasil. Quem se propõe a se juntar a nós, em várias cidades do país para mudarmos essa realidade?

Gostaria que através dos comentários, se unissem a nós para mudar o Brasil.

9 comentários:

  1. realmente nao é necessario agr ! mas é uma forma pro governo ver que agente que manda nessa porra !
    e esse assunto gera outras coisa, já que o imposto é tao alto e agente nao tem o retorno com isso, cade o dinheiro intão ? o importante nao é oque é o necessario o nao ! a parada foi a iniciativa, que era oque tava faltando ! e como vc disse já qui nao pode abaixar os imposto, intão vamos queres, saude educação melhores ! mais é isso ae. vamo qui vamo !

    ResponderExcluir
  2. Não concordo muito, pois tem muito politico ai que não faz nada, já pagamos muitos impostos, até na comida tem imposto, pra q? Eles fazem festa para comemorar até o aniversário do prefeito do fim do mundo... Acho que a inclusão de impostos por produtos importados deveria ao menos ser reduzida, é muito injusto um monte de países poderem ter a mesma tecnologia por muito menos, enquanto agente paga mais que o dobro nesses produtos, assim o Brasil nunca vai sair da lama q já ta.

    ResponderExcluir
  3. Vish,nada a ver,tem q ser agora mesmo,eles já recebem dinheiro D+,aposto q n pensaram 2x antes de aumentarem o próprio salário em vez de educação,saúde,etc..temos q reinvindicar nossos direitos,fora q isso ajuda em muito pra acabar com a pirataria!
    Preço Justo nessa Porra!

    ResponderExcluir
  4. Não vou censurar nada, mas peço que evitem jargões de baixo calão nesse blog ok?

    @RF: Obrigado pelo apoio, se você (e outras pessoas que virem isso) estiverem interessadas em ajudar a organizar esse movimento que proponho no final do texto, poderiam mandar um mail com o contato para everton.cdr@gmail.com para discutirmos melhor a melhor estratégia para mover o povo?

    @Catrions: Tem muito político que não faz nada justamente porque a população não cobra. É isso que quero mudar, tentar criar uma cultura brasileira para que a população aprenda a cobrar o que lhe é direito. É muito mais difícil uma única pessoa cobrar seus direitos ao invés de uma população inteira com os mesmos objetivos. O povo brasileiro, além de não ser unido, é orgulhoso, prefere lutar sozinho e quando consegue algo se mostrar para os outros. Isso quando prefere não somente viver a base de bolsa família. Sobre produtos importados, a diferença não é tão grande assim com a maioria dos países, chegaste a ler as comparações que citei? Chegaste a comparar o preço de um prato de comida? Devemos comparar realidades com critérios distintos, não somente o que é de interesse.

    @Zaji-san, chegaste a ler tudo? Reduzir impostos não vai ajudar nada com a pirataria, o povo brasileiro tem a cultura de sempre "dar a volta" ao invés de resolver o problema. Hoje impostos é desculpa para pirataria, amanhã encontra-se outra desculpa, e por aí vai, se a pirataria fosse causada pela alta carga tributária, os principais alvos da RIAA não seriam EUA e Europa.

    Quem quiser discutir, vou ver se crio um tópico no google para esse assunto, quando criar aviso aqui. Aqueles que já tiverem boas ideias, mande-as para meu mail por favor, sempre manterei os créditos das ideias.

    ResponderExcluir
  5. Para aqueles que tiverem interesse, criei o seguinte grupo no google: http://groups.google.com/group/brasil-para-a-frente

    ResponderExcluir
  6. "o sistema de cobrança de impostos do Brasil é o melhor do mundo" oi?! fonte!?

    Os games no brasil sao taxados em quase 100%, isso é certo pra voce?

    A sony nao ve o brasil como mercado exatamente por conta dos impostos. Por isso todos os jogos sao importados diretamente e praticamente nenhum é em português: nao tem uma empresa distribuidora de jogos no brasil pra fazer a tradução. até porque, a classe que tem dinheiro pra pagar pelo jogo original é a que tem dinheiro pra pagar cursinho de inglês.

    O proprio site da apple deixa claro que num ipod de 1000 reais mais 400 são impostos.


    Frutas no japão custam caro, porque eles não produzem. Nos estados unidos suco de laranja é barato, por conta da produção de laranja na flórida.

    "Arroz com feijão" é caro em outros países, porque eles não comem arroz com feijão. Vai ver o preço do hamburguer, do macarrão, do chips e das balas nos estados unidos.

    Fora que aqui o produto é supervalorizado enquanto a mão de obra é desvalorizada.

    ResponderExcluir
  7. Se diminuísse em 50% a corrupção nos governos daria para reduzir os impostos consideravelmente.

    ResponderExcluir
  8. @melina, deixa eu te perguntar, você leu todo o post? Sobre o sistema de cobrança de impostos, saiu numa exame um tempo atrás, agora não encontro essa revista aqui, mas pergunta a qualquer contador que vai te confirmar isso.

    "Os games no brasil sao taxados em quase 100%, isso é certo pra voce?" é respondida por você mesma em "Frutas no japão custam caro, porque eles não produzem.". E frutas são taxadas no JApão, mesmo sendo algo necessário a vida. No Brasil, alimentos importados não são taxados, veja o exemplo do leite La Sereníssima (Argentino). Mas jogos são algo supérfluo a existência, podemos viver sem jogos eletrônicos, mas reduzir os impostos no Brasil sobre os jogos vai fazer com que as empresas brasileiras? (que ainda estão verdes, tem que amadurecer muito) Injustiça para com as empresas brasileiras as estrangeiras não serem taxadas aqui, e as brasileiras serem taxadas lá fora. Outra coisa, se tiver computador/console/anyway, 80 reais em um jogo (que sempre é menos, eu compro jogos, gosto de jogar também) que dá mais de 100hrs de jogo se você buscar todas as possibilidades, explorar bem, etc... não é caro, você paga muito mais por hora de lazer comprando um DVD de filme de 2h pirata. "Arroz com feijão" é metáfora para o prato do dia a dia (eu disse que você não entendeu o texto).

    "Fora que aqui o produto é supervalorizado enquanto a mão de obra é desvalorizada." isso é problema dos impostos? É das empresas, é do capitalismo. Sinto dizer mas sem os impostos de importação, o Brasil não seria a potência que é hoje. Não teria desenvolvido muitas tecnologias e sem empresas produtoras de tecnologia no Brasil a maior parte dos nossos talentos vão para fora. Mais ainda que hoje. (eu já tive a oportunidade, mas gosto de morar no Brasil, já trabalhei por 3 meses no México e não gostei).

    "O proprio site da apple deixa claro que num ipod de 1000 reais mais 400 são impostos." Já parou para pensar que é justamente por isso que está vindo para o Brasil uma fábrica da FoxConn para representar a Apple e fabricar diversos eletrônicos(tanto Apple quanto não Apple)? Será que sem esse imposto de importação, simplesmente não iriam importar tudo da China que possui mão de obra escrava? E reparem que a taxa de importação é diferenciada para lazer, relativo a cultura (um computador por exemplo) a taxa é bem reduzida (exceto se for computador Gamer ou profissional, mas para uso doméstico é muito baixa a taxa de importação)

    @Fred: Se a população soubesse seus direitos e lutasse unida por eles, acha que teria essa corrupção? O primeiro passo é buscarmos o que já é direito por lei, educação, saúde, etc... Depois lutamos por mais direitos certo?

    ResponderExcluir